quinta-feira, 30 de dezembro de 2010

AS SAGAS DO DEUS DO TROVÃO

Já que estamos em clima nórdico pelo filme do Thor, resolvemos então listar algumas grandes sagas do filho de Odin, tanto para informação (se você não leu pode se interessar), quanto para debate (será que algum ponto de alguma delas vai ser usado no filme?). Deixe seu comentário sobre elas.

História da origem – (Stan Lee & Jack Kirby) o jovem Thor foi jogado na Terra sem memória na forma de um mortal. Esse mortal, o Dr. Donald Blake, ao fugir de estranhos monstros, encontrou numa caverna uma bengala. Ao golpeá-la no chão, ele se viu transformar de um homem paralítico no maravilhoso Thor, o deus do trovão.  


Ragnarok: O fim dos deuses – (Roy Thomas, John Buscema e Tom Palmer) em Asgard, terra dos deuses nórdicos havia uma profecia: se Balder, o Bravo fosse morto, o fim chegaria, a serpente de Midgard se levantaria; Fenris, o lobo gigante estaria desacorrentado; Hela, a deusa da morte percorreria a terra em busca de almas para si; Trolls, Gigantes e Anões destroçariam a ponte do arco-íris e Surtur, o demônio do fogo faria de Asgard um mar de chamas. Isso não podia acontecer, pois Balder era o melhor guerreiro de Asgard depois de Thor, mas isso não impediu os planos de Loki, o deus da trapaça. Ele levou consigo jornalistas da Terra que queriam filmar Asgard e enquanto Balder se exibia repelindo ataques de seus amigos pela magia de que nada podia feri-lo, Loki entregou a Hoder, o deus cego uma flecha de visco que atravessou a defesa de Balder e o feriu mortalmente. Odin se empenhou em salvá-lo, Loki foi acorrentado e torturado, mas Thor perdeu seu poder para um dos mortais que estavam lá, assim, ficaram sem sua maior arma. Que ninguém sobreviva ao Ragnarok.


A saga de Surtur – (Walt Simonson) em outra dimensão, alguém forjava uma gigantesca espada. Percebendo algo estranho, Odin enviou seus corvos para investigar. Um deles não voltou, o outro chegou mortalmente ferido. Ele lhe contou o que estava acontecendo, Odin então começou a mobilizar Asgard, mandou Balder buscar Loki e Fandrall, Hogun e Volstagg recrutarem todos os guerreiros para a luta. Na terra, o mortal Roger Willis tentava proteger a Caixa dos Invernos Antigos de Malekith, o maldito. Thor se alia a ele e os dois tentam descobrir seus planos. Malekith estava abrindo um portal para outra dimensão, o mortal e o deus tentam impedir e falham. Do outro lado do portal, a enorme espada corta as distâncias entre as dimensões. Era a espada crepúsculo das profecias do fim dos deuses, e o gigante que a empunhava era Surtur, o demônio do fogo; e sem poder fazer nada, todos viram a destruição encarnada caminhar sobre o mundo dos homens.


O fim do exílio – (vários artistas, mas principalmente [no início] Warren Ellis, Mike Deodato Jr. [no fim] Dan Jurgens, John Romita Jr.) Thor foi para o inferno. Lá enquanto era prisioneiro de Mefisto, um mortal era o novo Thor. Quando voltou, teve de confeccionar uma nova armadura para si. Uma que segurasse seus ossos que estavam quebradiços e fracos. Exilado na Terra, não teve ajuda de ninguém. Quando conseguiu voltar a ser o que era, enfrentou o Destruidor ao lado dos Vingadores, mas quando o vilão abriu seu visor, Thor morreu e, sem querer, também causou a morte do policial Jake Olsen. No reino de Hela, o misterioso Marnot devolveu-lhe a vida fundindo-o com Olsen e fazendo o filho de Odin assumir uma identidade mortal completamente desconhecida. Ao ajudar um louco que achava que era Heimdall, o guardião da ponte do arco-íris, ele viu Asgard destroçada e sem sinal de vida. Buscando apoio com Hércules, também descobriu que Zeus estava enfurecido, pois sua cidade havia sido igualmente destroçada, mas pelos guerreiros de Odin. E muito longe dali, Marnot encontrava sua aliada, Majeston Zelia num lugar onde todos os Asgardianos estavam presos. Juntos eles riram de seu plano enquanto olhavam a figura abatida do acorrentado ex- todo poderoso Odin.


Tempestade Cósmica – (J. Michael Straczynski & Olivier Coipel) aconteceu o Ragnarok. Odin morreu enfrentando Surtur. As ruas de Asgard estão vazias. Apenas Thor caminha sobre elas, pois os deuses não existem mais. Ele perdeu a afinidade com os Vingadores, pois repudia o que fez o Homem de Ferro na Guerra Civil, então nem de ajuda mortal ele dispõe. Até que descobre, as almas imortais estão presas em humanos comuns na terra... Mas como encontrar alguns entre toda a população terrestre? E se ele não encontrar os que deseja, pois prefere não trazer de volta todos. Como fará ele para repovoar uma cidade, enfrentar quem lhe desafia e continuar sua vida como Don. Blake? Ele fará porque não desiste. Porque não é qualquer um, é Thor, o deus do trovão.

sábado, 18 de dezembro de 2010

RANMA ½

O Mangá de comédia de Rumiko Takahashi, Ranma ½ teve um sem número de tentativas frustradas de publicação no Brasil porque sempre era uma editora falida, a beira do buraco que tentava ressuscitar uma das mais engraçadas obras da autora de Inu Yasha.
O jovem lutador Ranma e seu pai, numa viagem a China decidiram testar a sorte. Ignorando os berros de seu agente de viagens duelaram em cima de um lago amaldiçoado. Depois disso, Ranma passou a se transformar em mulher e seu pai em um urso panda assim que molhados com água fria, voltando ao normal quando molhados com água quente.
O pior é que Ranma já estava prometido a uma lutadora psicótica que odiava homens. E que agora teria que lidar com um noivo feminino e um sogro comedor de bambu.
A editora JBC está republicando o mangá desde o início, que inclusive já virou animê. Assista aqui a abertura.

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

ZAC EFRON PODE SER AKIRA NO CINEMA

No momento considere como um boato,
mas corre por aí que Zac Efron, o Troy de High School Musical pode estrelar a
adaptação para o cinema do mangá Akira, de Katsuhiro Otomo.
Não duvidando da capacidade para atuar de Zac, mas o que um ícone emo teen vai fazer numa história de ficção, pós
terceira guerra mundial, onde os protagonistas são delinquentes juvenis e uma
criança estranha, que vivem num mundo tão cheio de ação que faria Quentin Tarantino se morder (só um pouquinho, quase nada) de inveja?
  Mesmo não fazendo o mínimo sentido, é
bom sempre deixar um pé atrás, seria quase como o novo Homem Aranha do filme,
que por só um pouquinho não foi estrelado por um ator negro, descaracterizando-o
completamente.
Para quem leu Akira isso é
sacrilégio.
Comente, dê sua opinião.

quarta-feira, 24 de novembro de 2010

TRAILER OFICIAL DE LANTERNA VERDE – O FILME

QUEM VIGIA OS VIGILANTES?

Caímos em desgraça.
Algo, além disso, é exagero da verdade.
O mijo dos preconceituosos sobre qualquer estranho, se junta na sarjeta com o sangue de prostitutas e traficantes. Todos eles vão para o esgoto e nos levam junto em sua enxurrada. Essa é a parte boa.
Oxalá tempos atrás voltasse. Tempos aparentemente mais simples, onde o mal não era tão mal e os mocinhos sempre venciam no final do filme. Pobres de nós. Estamos condenados. Não dá para voltar onde havia paz, apenas esperar que a guerra venha e nos destrua.
Lembro-me de figuras heroicas, vestidas em trajes ridículos de cores primárias. Esses homens e mulheres, que eram tão acima de todos nós, hoje são parte do povo. São impedidos de ajudar e morrerão como qualquer um.
Sabe por quê? Fomos arrogantes o bastante a achar que não precisávamos deles. Esperávamos que alguém vigiasse aqueles que nos vigiavam. O maior problema, é que realmente existia alguém...
Quem pode ajudar? Quem poderia trazer de volta a paz? Mas como ela voltaria com tantas guerras até hoje?
É impossível. Estamos todos condenados. Nenhum herói mascarado, nenhum passe de mágica ou conto de fadas vai nos ajudar. Porque o único que pode... Não vai fazer isso. Caímos em desgraça.
Só ainda não nos demos conta.
A melhor história de todos os tempos.
De Alan Moore e Dave Gibbons                                             Watchmen

quinta-feira, 11 de novembro de 2010

ÚLTIMAS NOTÍCIAS DAS VERSÕES PARA O CINEMA


Atualmente, a indústria de HQ´s está se escorando principalmente nas adaptações, que nem sempre agradam ao público.
Mas querendo ou não os filmes, podemos assisti-los do mesmo jeito, então aí vão as principais notícias:
Corte de renda no novo filme Motoqueiro Fantasma.
A Marvel e a Disney estão agora, querendo lucrar com filmes de baixo custo assim como reduzir custos de filmes ‘classe A’. A vítima foi Ghost Rider 2 que sairá com metade do dinheiro que estava programado no início, fazendo o filme ficar pobre e os atores infelizes, já que Nicolas Cage, também teve seu cachê reduzido para atuar novamente como Johnny Blaze.
Detalhes sobre o filme do Lanterna Verde.
Esse sim parecia que ia ficar bem ridículo, mas não! Gritem fãs do cara-não-maduro porque o filme não será tão terrível quanto se achava olhando as primeiras fotos. Ivan Reis, o desenhista brasileiro que virou mestre no Lanterna, contou numa entrevista para o site Omelete como será realmente o filme e tudo que ele viu enquanto estava no set de filmagens. Para assistir, clique aqui ou entre em www.omelete.com.br.
E o sempre esquecido filme do Conan.
Se bem que esse é um personagem relativo, e dependendo do roteirista pode ficar uma das melhores adaptações já vistas, ou um homérico, bárbaro e Cimério lixo (eu não sei dizer onde a versão da década de 80 com Arnold () entra nesses itens). O filme de Conan, o Bárbaro está previsto para sair em 2011.

domingo, 7 de novembro de 2010

AS FILMAGENS DO FILME DO THOR

Se você é um fã do deus do trovão e anda meio desenformado, fique sabendo que seu novo filme vem aí. E sabe o que posso dizer sobre isso? Oh Não!
A adaptação para Thor – o filme traz uma Asgard tecnológica cheia de coisas futuristas bizarras como se o diretor tivesse é com vontade de gravar Star Wars.
Odin usa armadura, que é quase uma réplica da armadura de Thor. Loki é um homem mal, magrelo, e... Só. Ah, que também usa uma armadura quase igual a do Thor. Destruidor ficou o mais parecido, mas tem luzes neon grudadas no braço. Thor, pelo menos está bem fiel olhando o rosto do ator (olha que impressionante, é loiro!), mas com uma armadura levemente diferente (não vamos reclamar Thor já mudou de armadura XX vezes).
Lembrando que isso é o que conseguimos deduzir das fotos liberadas pela produção. Podem haver mudanças, ou ser mais horrível do que parece. Se não acredita, alguém aí já assistiu Dragon Ball Evolution?

sexta-feira, 29 de outubro de 2010

OS MAIS NOVOS FEITOS DE NEIL GAIMAN

Se você já leu boas histórias adultas, conhece Sandman, a criação máxima de Neil Gaiman. Se não, tente ler. Se já, quero perguntar: você sabia do filme do Sandman que está para ser lançado?


Maravilha, não era para se desesperar... Se o roteirista do longa fizesse uma adaptação fiel. O grande problema é que o próprio Neil, que deveria defender sua obra, disse que dava total liberdade aos produtores para fazer o que quisessem; que podiam mudar o quanto achassem preciso.

Mas o que essa criatura pensa que está fazendo? Ele não viu as porcarias gigantes que saíram das telas de cinema? Sandman pode ficar horrível dependendo da brilhante ideia daquele tal super criativo roteirista de cinema.

Mas tudo bem Sr. Gaiman, se assim que quer, não devemos cutucar a ferida de alguém que pode te tirar dinheiro no tribunal... Ou você não estava sabendo da batalha judicial entre Neil Gaiman e Todd McFarlane? Segundo informado, Todd usou em uma de suas histórias um Spawn que foi descaradamente copiado de um dos personagens de 1602.

Batalhas a parte, o roteiro de Sandman o filme já está sendo criado, e nós... Não podemos fazer nada além de esperar que saia algo bom.

terça-feira, 26 de outubro de 2010

DEATH NOTE

O estudante Light Yagami e o shinigami (deus da morte) Ryuk partilhavam da mesma opinião: seu mundo estava podre. E qual era a melhor maneira de mudar a vida terrestre cotidiana, sem graça, que só se assombra quando vê um crime acontecer?
Com mortes. De assassinos. Não pense que assassinar assassinos não lhe faz uma pessoa diferente. Porque faz. Seu poder interior cresce e você só se dá conta quando está com os mesmos olhos de quem matou. Olhos sombrios, que nada sentem pelo próximo além de superiodade e vontade de ver todos se curvarem diante seus pés.
E tudo isso era possível graças a um caderno, onde a pessoa que estivesse com seu nome ali morria instantaneamente. Era o Death Note. O caderno da morte.
A polícia secreta do mundo inteiro se juntou para te prender, criminoso, mas só um homem podia fazer isso, alguém que só atendia por L. Mas que diferença faria? Como L desconfiaria que quem está matando bandidos no mundo todo sem nem tocar neles, na verdade é apenas um estudante com um caderno?
Venha L. Estou te esperando. Se tiver mesmo coragem, lhe dou uma morte honrosa. E assim que isso acontecer transformarei o mundo a minha maneira... E o governarei totalmente. Vida longa a Light Yagami, o detentor do poder da morte.
Um dos mangás de maior sucesso no mundo, e considerado uma obra prima pela crítica.


De Tsugumi Ohba e Takeshi Obata                                                        Death Note

sábado, 16 de outubro de 2010

AS MAIS NOVAS REPUBLICAÇÕES DA PANINI

As republicações que a Panini Comics está lançando atualmente estão sendo mais bem aceitas pelo público de quadrinhos, pois o material ótimo está sendo escolhido a dedo. Para estragar é só o preço abusivo e o bônus mesmo.
Uma que se destaca por isso é Demolidor: A Queda de Murdock (R$ 59,90), que já foi republicada milhares de vezes, mas nenhuma com tanta qualidade. Lembrando que essa é uma das edições que possui menos bônus, valendo a pena comprar.
Camelot 3000 (R$ 80,00) já é o total oposto disso. A Panini se aproveitou de ser a melhor história de Mike W. Barr e a que fez Brian Bolland decolar para lançar uma edição de luxo de 324 páginas.
Assim como essa, A Liga Extraordinária Vol. 1 (R$ 89,90) tem mais de 400 páginas e menos de 200 são de quadrinhos, tendo aqueles bônus essenciais para a vida de um ser humano. E o motivo óbvio disso tudo é porque é uma das melhores HQ´s de Alan Moore.
Kick Ass (R$ 59,90) dificilmente emplacaria em números separados no Brasil, pelo mercado diferente do dos EUA. Por isso foi lançada em edição de luxo, quase sem bônus, ótimo!
Fora a linha Marvel Knights, que mesmo sendo de curtas histórias, são de artistas renomados e na faixa de R$ 20,00 cada. 

terça-feira, 12 de outubro de 2010

AS DUAS VERSÕES DE WATCHMEN – O FILME

Para o desgosto de muitos fãs (e alegria de outros), o filme Watchmen contou a história dos vigilantes de Alan Moore, em trechos entrecortados da HQ original.
Essa falta de fidelidade total ao gibi deixou quase todas as cenas tão absurdamente sem graça que infelizmente, o transformaram em mais um desses filmes que fazem um monte dormir no cinema.
A grande sacada realmente foi a direção, que deixou as cenas mais diferentes ainda do original, mas com um toque particular. E os personagens e cenários– parecidíssimos, nos faziam ter a impressão de que os desenhos ganharam vida própria.
Mas você sabia que esse não era para ser o filme original Watchmen? Desde os anos 80, logo após o término das publicações, Alan Moore luta para que seus personagens não ganhem uma versão na telona. Logo antes de começar as filmagens dessa que ficou pronta, outra estava sendo preparada. Nela, os personagens seriam levemente descaracterizados e a história se passaria nos dias atuais ganhando uma versão high-tech. Mas continuaria com as bases da saga original (encaixando assim até os personagens secundários como o jornaleiro) que ficaram totalmente de fora da nova versão.
O grande problema é que escolher entre essas duas adaptações seria “trocar o sujo pelo mal lavado” porque teríamos que ver ou uma história com pessoas estranhas, passando por uma terra estranha, levando uma vida quase como no gibi; ou personagens perfeitos, cenários perfeitos, mas em cima de uma nova história quase totalmente diferente.
Mas qual dos dois você escolheria? O que saiu realmente ou a antiga versão?

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

AS TELAS TEM UM NOVO ARANHA

Estamos meio atrasados, mas já que falei sobre a polêmica da possibilidade do novo ator dos filmes do Homem Aranha ser negro agora que Tobey McGuirey e Cia. tomaram um pé, nós temos que mostrar o novo Peter oficial, nerd, magrelo e zero bala.
Ao contrário do que aconteceria com um aranha de cor (o que teria havido se tivessem contratado mesmo Donald Glover) esse novo Peter não foi descaracterizado, mas o problema é que já estamos acostumados (por três filmes) com Tobey no papel, e esse novo ator não tem nada parecido com ele, e com certeza vai causar estranheza no início.
Mas e você? O que achou do novo Peter Parker?

ENTREVISTA COM ALAN MOORE – NO QUE A DC COMICS E WATCHMEN SE TRANSFORMARAM?

“Eu estou farto de Quadrinhos e desgostoso com as práticas atuais da indústria dos quadrinhos.”

Numa recente entrevista ao repórter Adi Tantimedh, Alan Moore, sempre desbocado, comentou sobre as adaptações para filme de suas obras – principalmente Watchmen, e sobre sua relação atual com a DC.
Como já é de conhecimento dos fãs, Alan Moore foi roubado pela DC Comics, que o privou de muitos direitos de suas obras e, nesse sentido, faturou todo o dinheiro que teria que ir para ele.
Mas a mais recente jogada da editora foi devolver a Alan os direitos de Watchmen em troca de prelúdios, epílogos e materiais relacionados à revista. Até comentaram sobre um título próprio para ‘Os Contos do Cargueiro Negro’, interligando todos os pontos da HQ que se passava dentro da história de Watchmen. Moore quase concordou, mas mudou de ideia.

“Devo imaginar que se a Warner Brothers/DC está me oferecendo de volta os direitos já usados e presumivelmente bem gastos de Watchmen... e talvez alguns milhões de dólares, quem sabe - não se falou em quantia, mas tive a impressão de que seria algo nessa faixa - para comprar os direitos sobre os personagens, então isso indicaria que sim, Watchmen, como propriedade intelectual, do ponto de vista deles tenha chegado ao fim de sua vida natural... Mas as possibilidades de outras criações acessórias talvez fossem de valor considerável, e o que menos importa aí são os próprios quadrinhos".

Toda a negociação foi feita pelo “mensageiro” Dave Gibbons, desenhista de Watchmen, com quem Moore cortou relações. Gibbons estava ajudando a fazer a versão para o cinema da HQ. E não é segredo que Alan detesta tanto os filmes que impede até que seu nome seja indicado neles já que sua qualidade muito inferior e “não merecem o nome de Alan Moore”.
Porém não é por isso que a amizade entre os dois acabou, mas sim porque Alan, que havia concordado em deixar o filme sair desde que nenhum dinheiro da produção fosse para ele, fez um acordo: Dave lhe telefonaria no dia seguinte ao que recebesse o seu pagamento para mostrar que a amizade continuava e “agradecer o dinheiro que Alan lhe havia dado”. Dave nunca ligou. Assim como David Lloyd, desenhista de V de Vingança com quem Alan não conversa mais pelo mesmo motivo.
Outro caso polêmico é o do escritor e amigo Steve Moore que teve projetos cancelados pela DC no mesmo momento em que Alan decidiu não falar com a editora. Steve não trabalha há meses e precisa desesperadamente de dinheiro já que seu irmão está com uma doença terminal incurável. Alan acredita que essa é uma forma de retaliação a si próprio e chantagem para que trabalhe em troca de emprego para Steve.

“Então nós vamos tirar o dinheiro de seu amigo, cujo irmão está morrendo de Disfunção do neurônio motor. Parece-me que estão exercendo uma espécie de pressão em cima de mim com Steven e seu irmão. É execrável, é desumano.”

Fora isso, Grant Morison quer incorporar a DC variantes dos personagens da Charlton Comics que inspiraram Watchmen. Alguns deles já apareceram em Crise Final.

“Tenho um grande respeito por esse trabalho. Eu não quero vê-lo se prostituir. Esta tem sido sempre a minha posição. Eu não quero vê-lo transformado em uma série de livros baratos que não são nada como o WATCHMEN original e que não funcionariam se fossem desmontados. Esses personagens só funcionam como um conjunto. A história em quadrinhos sobre Doutor Manhattan seria realmente obtusa e chata. A sobre Rorschach seria muito infeliz. A união está em Watchmen, embora eu tenha certeza que existem pessoas lá fora, talvez na indústria, que gostariam de ser o artista ou o escritor de alguns especiais WATCHMEN, ou simplesmente ter seu nome ligado a uma propriedade de sucesso pela primeira vez na vida.”

A DC, segundo ele, está em crise financeira e intelectual. Por isso, precisam pegar coisas antigas e refazer para ver se conseguem vendas. Atualmente, ela está apostando em filmes, mas bons diretores como os de Batman têm outras ambições, e não farão esse trabalho para sempre.

“Com certeza há uma solução muito mais fácil do que todo este material clandestino. Simplesmente obter alguém de talento e lançar um livro que até o público fora dos quadrinhos possa achar tão interessante ou tão atraente como as coisas que eu escrevi há 25 anos. Não deve ser tão difícil, porque deveria? E isso resolveria muitos problemas. Eles devem ter um criador, em toda a indústria americana, que poderia fazer um trabalho equivalente a algo que já escrevi. Seria um insulto pensar que não há. É apenas uma sugestão minha de uma forma que DC poderia retirar-se deste impasse difícil, mas vamos ver.”

AS NOVAS ADAPTAÇÕES PARA O CINEMA


Parece que atualmente, no que as empresas de quadrinhos estão investindo mesmo são as adaptações para o cinema em filmes de baixíssima qualidade. Um ou outro se destacam como Batman: Cavaleiro das Trevas de Tim Burton que já virou um clássico, mas entre esses, tem um bando de porcarias que só quem é muito fã mesmo consegue assistir só para reclamar.
Mas se você gosta de ir ao cinema, e não sabe quais serão as próximas adaptações sente na fileira do fundo com os pés em cima do banco da frente e seu saquinho de pipocas que vai começar a sessão.


·         Capitão América (com a roupa de soldado mais horrível do mundo);
·         Homem Aranha (recomeçando a história);
·         Vingadores;
·         Lanterna Verde (não lançaram o 1, mas já pensaram no 2 e no 3);
·         Sonja;
·         Conan;
·         Thor;
·         Liga da Justiça;
·         Kick Ass (o 2 já está a caminho);
·         Homem Formiga (a Disney quer lançar filmes sem muita qualidade...);
·         Viúva Negra (... adivinhe quem está nesta lista);


·         Mais uma quantidade absurda de personagens Image com filme próprio...
·         Monstro do Pântano (esperando aprovação);
·         Sandman (o roteiro já está sendo criado);
·         Motoqueiro Fantasma (deve ser uma piada, mas querem lançar em 2012);
·         Superman (recomeçando a história);
·         Batman;

E todos esses filmes ainda não foram lançados. Mas estão quase lá. Se você é fã de cinema... Bem, não serão ótimas escolhas, mas vai ter tantas opções que você não vai mais sair dali. 

segunda-feira, 20 de setembro de 2010

BATMAN: PRETO E BRANCO

Assim como certos atos, dignos do título de herói, às vezes passam despercebidos por nós, pessoas comuns; os heróis também não percebem coisas banais, mas cheias de emoção que eles mesmos fizeram.
Podem não existir super heróis no mundo real, mas só os do tipo que voam; os super fortes ou que tem poderes inimagináveis.
Os simples atos de humildade e ajuda ao próximo podem valer muito a quem foi socorrido, e a besteira de tentar se convencer de que isso não foi tão grande assim é o que tira a poesia do dia a dia. Mas o que realçaria a poesia de um verdadeiro super herói? Retirar-lhe as cores seria uma boa ideia.
Não que isso fizesse realmente muita diferença no mundo, mas nos esforçaríamos para ver coisas simples, e entenderíamos como um homem comum pode ser herói no seu dia a dia; como um super herói também é um homem comum e como tudo isso pode ser visto como uma grande obra de arte.
Essas são curtas histórias de autores geniais, que se juntaram apenas para mostrar, tanto que podemos ver a poesia da vida cotidiana apenas prestando atenção a nossa volta, quanto que a poesia de Batman está em seus menores atos.
Batman: Preto e Branco. De:                                                            



Jim Lee
Scott Williams
  • Michael Allred
  • Ted McKeever
  • Joe Kubert
  • Bruce Timm
  • Howard Chaykin
  • Archie Goodwin
  • José Muñoz
  • Moebius
  • Frank Miller
  • Walter Simonson
  • Michael W. Kaluta
  • Jan Strnad
  • Richard Corben
  • Kent Williams
  • Chuck Dixon
  • Jorge Zaffino
  • Neil Gaiman
  • Simon Bisley
  • Tony Salmons
  • Barry Windsor Smith
  • P. Craig Russel
  • Klaus Janson
  • Andew Helfer
  • Liberatore
  • Matt Wagner
  • Bill Sienkiewicz
  • Dennis O’ Neil
  • Teddy Kristiansen 
  • Marc Silvestri
  • Matt ‘Batt’ Banning
  • Alex Ross
  • Alex Toth
  • Brian Bolland
  • Kevin Nowlan
  • Gary Gianni
  • Brian Stelfreeze
  • Neal Adams
  • Katsuhiro Otomo

sábado, 11 de setembro de 2010

V de Vingança

“Ao povo o poder que lhe foi tirado”.

Sabe do que os políticos tem mais medo?
De que o povo descubra que não precisamos deles.
Você sabe o que eles fizeram: lançaram nação contra nação, provocaram guerras, falando como se sua palavra torta fosse a voz de todo o povo.
Você sabe o que aconteceu: continentes foram destruídos, vidas jogadas fora, e um sistema ridículo de tentativa de ordem instaurado.
A ordem vinha de imprestáveis organizações que tentavam manter paz na terra impondo o fascismo e a ditadura.
Não precisávamos mais disso, queríamos um lugar onde o povo teria voz, não homens sem escrúpulos e suas máquinas frias e controladoras.
O mundo só precisava de um arauto da libertação, alguém que mostrasse uma nova forma de liderar a todos. Alguém que já tivesse sofrido o máximo com a organização antiga e soubesse o que não podia continuar na nova ordem mundial.
Um homem vestindo capuz e uma máscara que ria de todos aqueles que tentavam impedir sua vendetta. Alguém que já tinha descartado a ideia de Vitória, só pensava em dar as boas vindas a Vingança.
Uma pessoa que só atendia por V.
Essa pessoa nos mostrou que do caos vem a tranquilidade...
E a tranquilidade vem da anarquia.  
Ao povo o poder que lhe foi tirado!

De Alan Moore e David Lloyd                                                                  V de Vingança

domingo, 5 de setembro de 2010

CRISE NAS INFINITAS TERRAS



O universo não era mais simples antes, e tampouco um só.


Infinitas cópias distorcidas das mesmas vidas eram separadas por frequências de vibração. Havia um número infinito de universos diferentes um do outro, mas com semelhanças notáveis entre eles. Tudo corria bem, até que o nada chegou para levar o infinito ao esquecimento.
Mundos gemeram enquanto eram tragados pela onda de antimatéria (o exato contrário à matéria). Enquanto seu arauto ia a todas as terras avisar que seria o fim, a destruição já estava em seu encalço.
Não restava nada a fazer além de esperar que sua vida fosse apagada também. Era terrível. Um incontável número de vidas já tinha sido deletada da história. Se alguém podia fazer algo, isso tinha de ser feito logo, e por isso, o Monitor, um ser que observava e catalogava os eventos de todos os universos, resolveu intervir.
Salvando heróis de terras diferentes e dando a eles uma missão não difícil, mas sim impossível: impedir que uma onda que não pode ser tocada, maior que o universo inteiro, e que simplesmente já apagou todos os outros mundos por onde passou, pare de avançar e que o ser por trás de tudo isso, o Antimonitor, não consiga o que está a um passo de realizar, transformar toda a matéria em antimatéria e se tornar o mestre absoluto de todos os infinitos universos que existem.
A história mais devastadora de todas, que mudou completamente todos os personagens DC.

De Marv Wolfman e George Pérez                                     Crise nas Infinitas Terras

domingo, 22 de agosto de 2010

A NOITE MAIS DENSA CHEGOU

       Sai esse mês nas bancas o segundo número de ‘A Noite Mais Densa’ da DC, história de Geoff Johns que está seguindo a mesma linha das últimas maxxisséries: o mais importante não é a revista título, a história de verdade tem que acontecer nos Cross-overs, deixando a revista sem graça e estranha.
       Normal.
       Olhando as edições dos EUA, vemos que a série está super ligada à ‘Green Lantern Corps’, então porque não colocaram tudo numa só edição logo de uma vez se a revista brasileira vem com mais de uma história mesmo?
       Só para lembrar: tudo isso foi tirado de oito páginas que Alan Moore escreveu vinte anos atrás. Tudo bem. Assumo que é difícil passar tão pouco para tantas edições, mas olhando no que virou, vemos que está tudo meio forçado numa história até bem imaginada.
       O que salva é o desenho cada vez melhor de Ivan Reis, que por estar numa revista meio puxada pro Dark está com uma cor esquisitinha.
       Mas como leitor, não posso falar nada mais concreto até ler a última edição. No Brasil, ‘A Noite Mais Densa’ está saindo em título próprio de oito edições fora o número zero.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

LOBO SOLITÁRIO



O samurai Itto Ogami um dia, ao chegar a sua casa viu sua família completamente exterminada. O único que havia se salvado era seu filho recém-nascido, Daigoro.
E antes que pudesse fazer algo ou chamar ajuda, oficiais de seu feudo (ou Han) apareceram com um documento incriminando-o de traição.
Não havia mais o que fazer. Itto pegou seu filho nos braços e o levou consigo para longe dali. Daquele dia em diante, ele se tornou um Ronin, um samurai sem mestre, um assassino contratado que ensinava a seu filho a arte da espada, sem que isso o desvirtuasse, sem que isso lhe fizesse esquecer a honra samurai... Mesmo que ele não fosse mais um.
Um dos mangás mais famosos em todo o mundo e, contando exatamente a vida do Japão feudal sob o ponto de vista de um assassino andarilho com uma criança nos braços.

De Kazuo Koike e Goseki Kojima  Lobo Solitário

domingo, 25 de julho de 2010

KICK ASS

Sabe, é incrível.
Com tanta história e filme relacionado... Como ninguém nunca tentou...? Por que até hoje ninguém nunca pensou em pegar um collant e sair realmente enfrentando o crime?
É tão impossível assim ser super herói?
É tão impossível que existam pessoas incorruptíveis em nosso meio?
 Será que a vida cotidiana, comum, banal e sem graça é tão super empolgante assim? Se alguém tem que dar o primeiro passo então esse alguém vai ser eu. É óbvio que podem existir super heróis de verdade. Só é preciso encontrar alguém que tenha coragem para ser além de todos os outros... E também ter peito pra apanhar pra caramba.
O que aconteceria se um garoto comum, resolvesse virar super herói no mundo real? Além de quebrar algumas costelas no processo, ele se tornaria... Uma celebridade!
De Mark Millar e John Romita Jr.          Kick Ass: Quebrando Tudo!

sexta-feira, 16 de julho de 2010

Arma-X

‘Eu não tenho mais certeza de que aquilo é humano, mas posso afirmar que vou domesticá-lo mesmo que se torne selvagem. ’
‘O que te faz pensar que pode controlar este homem senhor?’ 

É doutor... O que te faz pensar que ao se apossar da vida de um homem, você pode fazer o que quiser com ela? Que sua cobaia de aço se rebele doutor. O senhor já matou muitos tentando fazer o soldado perfeito, e agora que conseguiu, verá o quanto é ruim ser um criador imperfeito próximo da perfeição da criatura.

Esse é o passado de Wolverine.
De Barry Windsor- Smith                                                   Arma X

quarta-feira, 14 de julho de 2010

BATMAN: A PIADA MORTAL

A loucura é a única esperança de alguns em frente a um obstáculo irremovível. Não é fraqueza, mas a resposta provável a dúvidas sem resposta lógica.
Não foi culpa minha. Não era eu o fraco, não era estranho, não tinha problema nenhum. Quer dizer... Tinha sim. Era um homem comum. E não resisti a um dia ruim.
E quem não é comum que levante as mãos... Mas quanta gentinha existe no mundo, não é? Quer que eu prove que qualquer um pode enlouquecer? Eu provo. Você não levantou a mão Batman... Mas eu sei como chegar até você.
Se eu sequestrar o ten. James Gordon, estuprar sua filha, tirar fotos para a posteridade... Hê... Levá-lo a um lugar comum e tortura-lo, mostrando a ele como a vida real é feia... Acho que estarei dando um dia ruim para ele.
Mas não se assuste morceguinho querido, uma dose de realidade de vez em quando nunca é demais... E se essa for a única forma de lhe mostrar, é assim que vai ser... Eu dou um dia ruim pro Gordon... E provo que qualquer um podia ser o Coringa.
A melhor história do Coringa de todos os tempos.
De Alan Moore e Brian Bolland                                    Batman: A Piada Mortal

BATMAN: Ano Um

“Pai... receio que eu vá morrer esta noite.”
O cirurgião Thomas Wayne levou sua esposa e filho para assistir um filme. Na saída, a criança empolgada pulava imitando os gestos de Zorro. Essa criança perdeu os pais para um homem de olhar assustado.
Foi então que Bruce Wayne jurou vingança.
O Tenente James Gordon chegou a Gotham com sua esposa grávida. Este não era o melhor lugar para criar uma criança. O que os dois podiam fazer para limpar toda uma cidade?
Depois de anos de treinamento, Wayne estava quase pronto para enfrentar o monstro do crime frente a frente. Mas faltava-lhe algo. E sem o menor aviso, a última peça do quebra cabeças chega voando, estilhaçando sua janela.
Essa criatura que lhe aterrorizou quando criança, agora lhe fará um escudo. Sim. Ele se tornará um morcego.
A mais definitiva de todas as origens do Homem Morcego.
De Frank Miller e David Mazzuchelli   Batman: Ano Um

quarta-feira, 7 de julho de 2010

FATHOM

Os humanos perdem tanto de seu tempo vasculhando o espaço, a procura de uma nova raça diferente da deles. São arrogantes. Nem imaginaram em procurar naquilo que existe em maior quantidade em seu mundo.
Aspen foi encontrada pelo Capitão Matthews dentro do navio Paradise. Ela não sabia o que ela estava fazendo lá dentro e quem eram aquelas pessoas, e quem estava no navio não sabia por que a praia tinha mudado tanto quando atracaram. Era por que já haviam se passado dez anos desde que o barco havia saído em alto mar.
Adulta, Aspen formada em biologia marinha entrou para a equipe do Deep Marine Discovery, uma base no fundo do Oceano Pacífico que havia sido construída ao redor de uma estranha nave de tecnologia desconhecida; e lá estava preso um ser humanoide que respirava água.
Perseguindo um estranho alvo, um piloto da força aérea acaba disparando um torpedo no DMD destruindo-o completamente e matando todos seus ocupantes. Mas, mesmo a 400 metros de profundidade, Aspen não morre. Ela apenas vira o que tanto lhe agrada. Ela simplesmente se transforma em água.
De Michael Turner                   Fathom

terça-feira, 6 de julho de 2010

Filho de Bob Marley cria super-herói maconheiro para a Image Comics

omelete

O músico Ziggy Marley, filho da grande referência do reggae Bob Marley, vai virar criador de quadrinhos. A Image Comics acaba de anunciar Marijuanaman, série criada por Ziggy com o escritor Joe Casey e o desenhista Jim Mahfood.

A descrição da HQ: "Marijuanaman vem de um planeta que precisa muito de THC. Marijuanaman então tenta salvar os campos de maconha da Terra de serem destruídos pela empresa farmacêutica PharmeXon, e assim salvar também seu planeta da destruição".

A HQ sai só em abril de 2011, mas a campanha promocional já começa na San Diego Comic-Con daqui a duas semanas, onde Ziggy vai autografar pôsteres do personagem.

Novo uniforme da Mulher-Maravilha gera reações diversas


omelete

Como era de se esperar, o novo uniforme da Mulher-Maravilha - revelado em Wonder Woman #600, lançada na semana passada nos EUA - causou reações diversas. Vão desde "não se mexe no que é sagrado" a teorias conspiratórias envolvendo o filme da personagem - e até gente que gostou.

A reação mais repetida pela web é a da jornalista Nikki Finke, do blog Deadline. "Preferia que tivessem deixado ela em paz, principalmente por ser a única personagem dos quadrinhos que já admirei. É claro, foi um bando de homens que a arruinou", escreveu Finke, num post que encerra chamando pela campanha "LIBERTEM A MULHER-MARAVILHA!".

Fãs mais ligados ao mundo dos quadrinhos são mais temerários diante do nome responsável pelas mudanças: o escritor J.M. Straczynski, que tem no currículo algumas histórias controversas do Homem-Aranha (como a dos filhos de Gwen Stacy com Norman Osborn, e "Um Dia a Mais"). O próprio autor publicou um texto no blog oficial da DC Comics, The Source, defendendo sua escolha.

"Enquanto muitos personagens, de Batman a Superman e outros do Universo DC, passaram por transformações substanciais, a Mulher-Maravilha continua quase a mesma há muito tempo. (Com exceção daquele look mod dos anos 60... mas quanto menos falarmos disso, melhor.) Que mulher usa a mesma roupa por 70 anos? Que mulher não usa acessórios? E o mais importante, como muitas mulheres vêm lamentando ao longo dos anos... como ela luta usando aquela coisa?", escreve Straczynski. E defende ainda mais mudanças para a personagem, inclusive na sua personalidade: "Acredito que ela ficou concretada ao longo dos anos, virou um Porsche muito legal que as pessoas deixam na garagem porque tem medo de estragar, ao invés de sair com ele pela estrada. Ela virou, por falta de palavra melhor, bundona. Virou a mãe da vizinha que você quer namorar."

Uma reportagem no New York Times levantou a possibilidade de que o novo uniforme queira criar um apelo globalizado para a heroína, dando menos destaque às cores da bandeira dos EUA que dominavam o uniforme tradicional. Com isso, a personagem poderia conquistar públicos estrangeiros no cinema (no filme que nunca acontece).

A conservadora FOX News, por sua vez, viu "falta de patriotismo" na mudança. A matéria entrevista um quadrinista que preferiu manter-se anônimo, dizendo que tem relações com a DC e que a mudança de uniforme tem fins comerciais. "Essa nova Mulher-Maravilha fashion vai ficar bem numa franquia cinematográfica centrada em uma heroína. Não funcionaria direito com uma roupa brilhosa vermelha, branca e azul, e não daria certo nos lucrativos mercados estrangeiros. A nova Mulher-Maravilha parece algo com que você pode vestir Angelina Jolie, ou um dos vilões de Crepúsculo."

Para fugir da opinião geral, o estilista Tim Gunn, do programa Project Runway, concedeu uma entrevista ao Newsarama onde diz apoiar o novo uniforme. "O novo look diz 'sou confiante, sou poderosa, sou sexy e não vem mexer comigo'. Além disso, ela parece uma pessoa do mundo real ao invés de criatura de outro mundo. (...) Não é mais uma fantasia, são roupas reais."

terça-feira, 29 de junho de 2010

QUEM GOSTOU DO NOVO GLADIADOR DOURADO?


Basicamente, o Gladiador Dourado foi criado por Dan Jurgens apenas para ser uma mala.
Os anos passaram e ele se tornou super carismático e fundou a dupla Azul e Dourado com Ted Kord, o Besouro Azul na Liga da Justiça Internacional. Mas... Mesmo assim... Ele era uma besta. Uma enorme, gigantesca e dourada besta. Muita gente não achava graça em Michael Carter... E... Bom, aí não gostou da história inteira.
Mas tudo mudou recentemente. O Besouro Azul entrou numa das melhores HQ´s atuais onde morreu, e o Douradinho começou a fazer parceria com Rip Hunter o mestre do tempo e se transformou em UM mestre do tempo.
As histórias dele estão hoje, bestas, mas com aquele plano ‘viagens no tempo’, o que mudou completamente a personalidade do personagem. A partir daí varia de gosto para gosto. E você o que acha do novo Gladiador Dourado?

terça-feira, 22 de junho de 2010

OS DOIS RETORNOS DE BARRY ALLEN


          Poucos leitores atuais sabem, mas Barry Allen quase retornou uma outra vez, a algum tempo atrás. A diferença entre as duas histórias é que a primeira tem extrema qualidade, não como a atual que, até no desenho de Ethan Van Sciver, não há nada de aproveitável.


         Wally West não se adequava a ser o Flash, mas não podia deixar ser esquecido o homem que lhe ensinou a ser herói. Assim, passou o tempo, e ele aprendeu a usar o uniforme como seu próprio título. Nesse dia, Barry Allen voltou.

          Não era possível que essa história de "ele na verdade ter se transformado em energia e uma tempestade elétrica tê-lo revivido"... Mas... Wally estava tão maravilhado que nem percebeu esse pequeno fato.

Não era Barry Allen. Mas uma pessoa exatamente igual a ele.

De Mark Waid, Greg Larocque e Roy Richardson, e, no Brasil, publicada na revista Novos Titãs da Editora Abril.

O Primeiro Retorno de Barry Allen.

Já o segundo, foi um golpe editorial, trazendo o verdadeiro Barry de volta, apenas para chamar mais atenção para a Crise Final. O tema, e propagandas aparentemente legais são só aparência mesmo. O desenho é ridiculamente carregado e não faz jus à Ethan Van Sciver. E o roteiro, do quase ótimo Geoff Johns deixou os fãs que esperavam um final magnífico, completamente decepcionados.

De Geoff Johns e Ethan Van Sciver, o segundo retorno de Barry Allen.

sábado, 12 de junho de 2010

PANINI COMICS: FALÊNCIA PELA FRENTE



Como todos devem ter visto na banca, o preço das revistas 'diminuiu'. Mas preste atenção, quando dividimos os costumeiros R$ 6,90 por suas 4 edições dava R$ 1,70 por edição, mas hoje com o “baratíssimo” R$ 6,50 dividido por TRÊS edições ficam R$ 2,15 por edição. Acho que continuamos sendo roubados...
Lembrando que a Abril Jovem (Marvel e DC) faliu por pular de um mês para o outro de R$ 2,50 para R$ 9,90. Com o dinheiro que você comprava quase 5 revistas, você conseguia uma. Para assinar as revistas Abril ficavam R$ 40,00 (R$ 20,00 Marvel/R$ 20,00 DC). Na Panini para assinar com as edições de R$ 6,90, você gastava mais ou menos R$ 240,00 (R$ 120,00 Marvel/R$ 120,00 DC).
O novo mix da Panini é gostoso de ler. È curto e leve, mas é caro. Seu preço devia ser mais ou menos  R$ 5,10. Uma coisa que a Panini tinha perdido, mas recuperou, é que quando começou, haviam apenas algumas edições em banca, com material de ótima qualidade, mas ela estava exagerando. E deletando mixes perfeitos como Marvel Max, desfolhando-o em edições especiais caras e esperando que a compra seja a mesma.
Quando ela chegou no mercado, suas edições tinham extrema qualidade e preço justo, hoje a verdade é outra. Se ela não voltar a ter senso do ridículo, ela pode falir. É o mesmo erro da Abril, só lembrando que a editora Devir está colocando suas manguinhas de fora ultimamente. Será que a Devir vai ser a próxima a assumir o posto?

terça-feira, 8 de junho de 2010

PORQUE PETER PARKER NÃO PODE SER NEGRO?


Está decidido. Tobey Mcguirey não será mais o Homem Aranha nos filmes aracnídeos, e o sucessor do pobre ator com cara de idiota  pode ser Donald Glover.
A polêmica está armada. A Marvel Studio escolheu cinco atores para ser o novo Peter, mas Donald perguntou porque o personagem não poderia ser negro. Ele disse que amava o Homem Aranha e gostaria muito de interpretá-lo.
Aí a muvuca começou. A Marvel começou a ser bombardeada por pessoas pedindo que o novo Spider Man fosse de cor, e perguntavam que problema teria nisso.
Mas olhando pelo outro lado do prisma, se a Marvel não aceitar, não podemos considerar racismo pois se colocassem uma atriz branquela para o papel da Tempestade, ou um loiro de olhos azuis para ser Pantera NEGRA os fãs iriam reclamar.
A dúvida vem porque cada pessoa pensa de uma maneira diferente, mas e você? O que você acharia de um Peter negro? Descaracterizaria o personagem? Responda rápido, pois Donald Glover está ganhando, e logo no cinema podemos ver como ficou essa nova versão do velho Homem Aranha.  

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...